sexta-feira, 11 de abril de 2008

CABRAL, Alfredo Lustosa. Dez anos no Amazonas (1897-1907). 2° ed. Brasília: Senado Federal, 1984.

- Primeira edição em 1949, publicado no Paraíba/ João Pessoa. O subtítulo era: “Memória de um sertanejo nordestino emigrado àquelas paragens em fins do século passado”.

- O autor é Paraibano, (14/01/1883 † 31/12/1960). Depois, chegou a se formar em odontologia. “atraído pela riqueza da borracha foi com um irmão mais velho, tentar a fortuna, na Amazônia. Lá esteve dez anos, de 1897-1907, justamente no período de maior riqueza da região” José Lins do Rego (O Globo, Rio, 1950).

- Devido as mortes indígenas em função da empresa gomífera, ele diz: “Não era sem a sua ponta de razão que o povo, no nordeste, sempre via com maus olhos o dinheiro que chegava no Amazonas. Parecia-lhe um dinheiro amaldiçoado” (idem). - Ficou na Amazônia entre os 10 a 17 anos.

- O Acre como todo o Amazonas foi um grande cemitério de nordestinos.

APRESENTAÇÃO (Senador Jorge Kalume, p. 05)

- Escreveu a pedido do professor universitário Octacílio Nóbrega de Queiroz, que apresentou o livro em sua primeira edição. O autor já era de saudosa memória.

“O heroísmo dos nossos patrícios do Nordeste não pode ser aquilatado apenas pela forma como enfrentaram o fenômeno climático, obrigando muitos a abandonarem, no passado remoto ou recente, a terra mater, em busca de outras plagas, para eles totalmente desconhecidas” p. 5.

OBS: tenta dizer que o nordestino é forte e altivo por ter “escolhido” enfrentar à Amazônia.

- O autor chegou ao Acre (Vila Seabra/Tarauacá) em 1897. Segundo o senador, na época “somente os fortes dos fortes sobreviveriam” p. 6. PREFÁCIL (1° Edição) – Por Octacílio Nóbrega de Queiroz, escrito em junho de 1949.

“O Amazonas é uma torrente de sangue que corre por uma floresta: a floresta é o Brasil” (FRANK, Waldo. America Hispana, p. 165). “A agitada tragédia da borracha amazonense não tem nada que se lhe possa comparar” (NORMANDO, Evolução Econômica do Brasil, p.48).

- Foi o prefaciador que incentivou o autor a escrever o livro.

“Órfão aos quatorze anos, emigrou, acompanhando o irmão para o Amazonas, onde foi seringalista, mateiro, remador e varejador de canoa, cozinheiro, regatão, agricultor e inspetor de quarteirão... De volta à terra natal, se fez professor primário na Escola Normal da Paraíba, em 1912... depois músico, vereador, rapadureior, adjunto de promotor por duas vezes e, finalmente, vinte anos mais tarde, já aposentado no exercício do magistério público, cirurgião-dentista pela Faculdade de Medicina e Odontologia do Recife” p. 12.

“Dele (do autor) não podemos abstrair um só instante a sinceridade espontânea da narrativa” p. 12. ............................................................ O irmão, Silvino Lustosa Cabral, aos 24 anos, retornou ao Paraíba em 1897, depois de ter ficado no amazonas por cinco anos. No entanto, disse que voltaria.

“ouvia aquelas histórias bonitas, às vezes fantásticas, que ele contava, vem como, da facilidade de enriquecer em pouco tempo. Fiquei logo desejando de conhecer tudo aquilo” p. 23.

“Viajava eu, junto aos tropeiros... com o coração partido de saudade do rincão natal” p. 25. OBS: Tudo indica que a idéia de pátria, terra natal, estava mesmo vinculada ao local/região onde se nascia. No Acre, os nordestinos não tinham as terras como suas. Ali defendiam não à Pátria, que era o nordeste, mas a fonte de renda que os levaria novamente a sua terra natal.

- Quando é descoberto que um deles estava com varíola: “Como preventivo, ingerimos fortes goladas de aguardente” p. 29.

“Era um velho barco carcomido pela ação corrosiva do iodo marítimo e do tempo... Vinha cheio como lata de sardinha... A muito custo localizamos nossas redes e bagagens por cima das malas dos passageiros, pois, não havia mais espaço nos porões do navio” p. 29.

- No barco (o Pernambuco) iam “os remanescentes do 27 Batalhão da Paraíba que havia tomado parte na campanha de Canudos... vinha ali também a política do Pará, composta de rapazes moços e fortes” p. 29. Ao todo eram “mais de quinhentos, com destino àquele Estado” p. 30.

“Passamos o resto da tarde ouvindo histórias de Canudos” p. 30. - O barco ainda rumou para o Rio Grande do Norte para pegar mais pessoas. “Os seus porões não comportavam mais um grilo” p. 31.

“O comandante recebeu uma lista de quinhentos flagelados para o Amazonas” p. 31.

“As redes armadas, duas, três, por cima das outras” p. 32.

“A certa distância da cidade o navio ancorou. Em pouco tempo estávamos rodeados de botes e de catraias com seus balaios repletos de vendagens comestíveis, doces, camarões, frutas etc., para serem vendidas a bordo. Esses negociantes, compostos em maior número de mulheres, eram quase todos negros, poucos brancos viam-se ali” p. 32.

“Não se podia mais tolerar o ambiente de imundície nos porões. Entristecidos, embriagados, vomitando no fundo de redes porcas, jazia uma quarta parte dos passageiros” p. 32.

“estávamos acordados, ansiosos para nos livrar da velha e sórdida embarcação” p. 33.

- Chegado em Belém “Fomos nos hospedar no Hotel das Duas Nações que pertencia a espanhóis e portugueses, razão por que tinha esse nome” p. 33. Era outubro.

“A iluminação, à noite – maravilha fascinante especialmente no largo da Pólvora. Poucas eram as cidades do Brasil iluminadas à luz elétricas, nesse tempo” p. 33.

“O comércio estrangeiro focalizara-se na Praça de Belém atraído pela riqueza da borracha” p. 33.

- De Belém, “o navio saiu direto para Manaus. Gastamos sete dias” p. 33.

- De Belém ao Juruá: 40 dias.

OBS: Belíssima narração da viagem.

“Não existia dinheiro na região” p. 35.

“Meu irmão, guarda-livros e gerente, havia já três anos, era estimadíssimo, e teve, por isso, recepção formidável” p. 35.

“O Sr. João Marques de Oliveira, dono do seringal, bom e maneiroso, não sabia ler” p. 35.

- O mesmo, tão logo o irmão do autor chegara, foi ao nordeste atrás de mais pessoas para o trabalho gomífero. “Trouxe uma companheira de estatura regular, bonita e simpática, alegre e jovial. Contava vinte e quatro anos e chamava-se Maria Mendes Maciel. Era sobrinha de Antônio Conselheiro” p. 36.

“tinha o nome de brabos os que chegavam ali pela primeira vez” p. 36. “Na margem oposta do lago moravam dois brabos. Em um domingo, fomos visitá-los. Receberam-nos alegremente. Haviam matado dois mutuns. Estavam em festa. A panela fervia exalando um cheiro agradável, tempero com pimenta e banha do Rio Grande do Sul” p. 37.

“Não eram penas de mutum, e sim de urubu-rei. Tomamos somente uma xícara de café e voltamos à nossa residência” p. 37.

“Aos sábados dirigíamo-nos para o rio com o fim de arrancar, na areia das praias, ovos de tracajá, que havia em abundância nos meses de julho e agosto e os de tartaruga, de setembro e outubro” p. 37.

“Nas safras de tracajá e tartaruga, o seringueiro vive de pança cheio e confortado com os ovos que traz da praia quase todos os dias” p. 38.

“entramos no rio da esquerda, chegando no seringal Belmonte, de bom leite, com metade a ser explorado. A inconveniência que tinha eram duas malocas dos índios caxinauá e catuquina a pouca distância” p. 40. “Não acabamos de abrir o mato; quando soubemos que os índios tinham atacado uma barraca de quatro seringueiros. Repelidos a bala, correram” p. 40.

- os índios eram chamados de “os selvagens” p. 40; considerados “inimigos” p. 41.; “ferozes” p. 42. “Nas correrias o pessoal não se dispersa. Marcha em fileira” p. 41.

- Em 1899 “presenciamos um forte movimento sísmico, que durou uns quatro segundos com tremos de terra e prolongado gemido” p. 42.

OBS: até agora não falou de Galvez. Talvez o ano de 1899 ainda não era tão conhecido assim pelo Juruá.

- O patrão “Era um velho de sessenta anos, violento, enraivecido por qualquer futilidade. Fora capitão do Exército e renunciara à farda para se entregar à cultura da borracha. Estava ali há muito tempo. Enriqueceu...” p. 43.

“Em ajuste de conta com um seringueiro [...] mandou matá-lo e, por causa de uma melancia, tirada na praia sem a devida ordem, matou outro” p. 44.

OBS: quem ia para o Acre já estava disposto a matar ou morrer. “Morria um e chegavam cinco para substituí-lo” p. 53. A REVOLUÇÃO ACREANA (p. 53)

“Para aumento de revezes estourara no rio Acre a luta do seringueiro com a Bolívia, encabeçada por Plácido de Castro” p. 53.

“Plácido de Castro vendo as coisas um pouco turvas enviou ao Tarauacá um emissário com poderes de requisitar forças dando patente de capitão para os donos de seringal que conduzissem pelo menos vinte homens. Todo o rio acelerou-se, todo mundo queria ir” p. 53.

OBS: fica patente a forma como Plácido de Castro arregimentava os patriotas soldados que, quando designados, ficavam pulando de alegria, tudo era melhor do que a tortura da colocação.

“Fato curioso é que, naquela época, segundo ouvi dizer – não tenho certeza -, esteve também por lá o colega Getúlio Vargas (colega na idade e na espingarda) incorporado às forças do coronel Antonio Olímpio da Silveira” p. 53.

“Terminada a guerra, os combatentes proclamaram a independência do rio em República Acreana. Adotaram um pavilhão como símbolo da Pátria e outras coisas mais” p. 54.

“O Governo Federal constituía-se senhor das terras em questão, que dali por diante nem eram República Acreana nem tampouco pertenciam mais ao Estado do Amazonas, e sim ao Brasil” p. 54.

“Foi inaugurada, na foz do rio Moa, a cidade do Cruzeiro do Sul, tendo como Prefeito o General Gregório Thaumaturgo de Azevêdo, que nomeou os tenentes do Exército, Guapindaia, delegado do Juruá, e Luiz Sombra, do Tarauacá, com atribuições de resolverem todos os problemas atinentes ao policiamento e negócios dos rios. Em todos os seringais encontrava-se uma autoridade investida de poderes – o Inspetor de Quarteirão... Todas as brigas e encrencas, que surgiram, eram resolvidas pelo Inspetor que, depois, dava conta ao tenente dos ocorridos em sua circunscrição” p. 54.

“Ali não existia mulher, elemento esse indispensável em toda parte” p. 55.

“Lugar que tem índio não há caça, ele devora tudo” p. 57.

“O seringueiro chega sempre do trabalho da estrada fatigado sem encontrar o que comer” p. 57.

“A umas quinhentas braças de nossa barraca, existia um velho roçado encapoeirado, pertencente a tribo JAMINÁUA que, pressentindo nossa chegada, afugentara-se, havia alguns anos, para mais longe. Viu que nossa invasão a seus domínios era positiva, inexorável. Por esta razão, mudara-se, tornando-se qual nômade, sem um ponto certo de morada. ” p. 65.

“Só não investiam contra a civilização porque tinham a certeza que a reação era tremenda, brutal” p. 66.

“Às onze horas, estava de volta à barraca. Defumei o látex, tomei banho no igarapé, troquei de roupa, almocei... com os companheiros, segui ansioso para dançar e tomar aguardente no barracão. Não existia mulher na festa” p. 67.

“... viviam os índios nas cabeceiras dos afluentes da margem direita do Alto Juruá, inclusive o Tarauacá... A horda de invasores apoderara-se de sua habitações e roçados, enxotando-as a bala para o centro da mata bem distante das margens do rio... Evadiram-se, todavia, os selvagens, com medo, mas cautelosamente ali apareciam para abastecer-se” p. 67.

“O aborígine, como sabemos, é de índole preguiçosa e indolente, desconfiado e ciumento. Quem for a uma aldeia não faça motejo, todo cuidado é pouco... São bastante sadios. Desconhecem moléstias venéreas e seus dentes são quase imunizados da cárie dentária. Raro é o que tem ferida braba... Nunca se vê um índio aleijado. Dizem que se, ao nascer, a criança tiver defeito físico grave, o pai, ordem do chefe da taba, mata-a novinha, pela razão de não poder manter-se com seu próprio trabalho, quando crescer, nem achar quem a sustente... O índio chama o negro de TAPAIÚNA. Odeia-o e tem do mesmo grande aborrecimento... Ninguém quer nem pode trabalhar para o outro. Cada qual cuide de si” p. 68.

OBS: nas páginas seguintes, faz uma descrição pormenorizada da vida cotidiana indígena.

“Trabalhara ali já havia decorrido três anos sem poder libertar-se da conta que, dia a dia, avultava contraída com seu patrão” p. 71.

“No referido lugar morava um seringueiro de nome Paulino de Azevedo Sombra, de Aquiraz, Ceará. Trabalhador, econômico, conseguiu acumular no Contas Correntes do patrão sua meia dúzia ou mais de contos de réis. Crédito era só quem tinha” p. 71.

- O patrão propôs que se Paulinho pagasse a conta do outro, daria a mulher do inadimplente para ele.

“Não é de todo dispensável dizer que eram muito difíceis, naquela época, as relações entre os dois secos. Regiões havia, numa extensão de dez a doze propriedades, onde não se encontrava uma dona-de-casa. A aquisição de uma donzela da selva era tarefa temerária, porque raramente a índia se sujeitava ao regime doméstico. Isso inda podia acarretar o perigo de ser a moça levada pelos da tribo ou haver choques violentos, de parte a parte, transformando-se em intriga que não se acabaria mais. Sob esse aspecto, as uniões de seringueiros com selvagens eram quase nulas” p. 73-74.

“Foi por isso, atendendo a tamanha irregularidade de vida, que, certa ocasião a polícia de Manaus, de ordem do Governador do Estado, fez requisição nos hotéis e cabarés dali de umas cento e cinqüenta rameiras. Com tão estanha carga, encheu-se um navio cuja missão foi a de solta, de distribuir as mulheres em Cruzeiro do Sul, no Alto Juruá [...] não faltou pretendentes” p. 74

“De propósito, convém não esquecer ser o cearense um tipo enérgico, conquistador de terras, afável, trabalhador, valente no momento oportuno, mas divertido e de espírito crítico” p. 76.

OBS: da página 79 em diante fala de alguns mitos e lendas que assolavam os seringueiros: Curupiara, jabuti, sucuruju, boto, irapuru, mapinguari etc. - Danças (p. 97).

“Em 1906 já havia posto fiscal federal na foz do Muru” p. 107. OBS: comenta sobre a inauguração da Vila Seabra.

“Que era esse ambicionado tesouro que vim a conhecer em janeiro de 1907 tão somente em Manaus? A mais luxuosa pensão, o mais empolgante cabaré da América do Sul. Fortemente iluminado, com todas as sortes de jogos, com teatro, era lugar de lindos rostos de todas as partes do mundo – polonesas, francesas, portuguesas, peruanas, brasileiras dos vinte e um Estados, todas, enfim, ali se exibiam numa libertinagem desordenada, doida” p. 108. “Escravizado oito ou dez anos na selva, sem relações com o sexo oposto, o seringueiro que chegava à cidade, não o deixava de freqüentar. A exploração era roxa. Muitos ali deixavam todo o dinheiro que haviam arranjado com enormes sacrifícios. “Lisos” – restava-lhes ir ao escritório do patrão implorar uma passagem no gaiola e retornar ao seringal de onde saíram” p. 108.

“Ao chefe do barracão cabia o papel de resolver as questões do seu seringal. Existiam no Juruá muitos criminosos de morte, sem a menor punição, até que chegaram fortes censuras aos ouvidos do Governo” p. 120.

“Não existia roubo ou furto, porque se o indivíduo chegasse à barraca de qualquer desconhecido, sem o encontrar em casa, podia servir-se do que entendesse – alimentação, munição, contanto que deixasse um bilhete ou, se não soubesse ler, no soalho da barraca, um sinal qualquer” p. 121.

“O elemento preponderante no Juruá era o peruano e, com este, não tínhamos relações confidenciais. Vez por outra, estavam surgindo desavenças, críticas, aborrecimentos. Começavam por nos apelidar de maquiçapos ou macaquitos... O peruano trabalhava no caucho e vivia como um bicho, arredado no interior da mata, distante, sem contato com os brasileiros, enquanto que este só se enfeitiçava pela seringueira, sempre às margens dos rios ou a três ou quatro horas de viagem destas” p. 121. SOBRE A REVOLUÇÃO ACREANA p. 129.

“O nome de Acre resultou de alteração da palavra Aquire, denominação de um rio afluente do Purus, segundo o geógrafo inglês Chandless (1865), descoberto por um mulato amazonense, Manoel Urbano da Encarnação, ou de aquiri – água corrente do tupi” p. 131. - Plácido de Castro “Antes de morrer, ferido gravemente, pediu que, morto, seu coração fosse dividido, parte para sua mãe e outra para a noiva, em terras de seu distante Rio Grande” p. 132.

2 comentários:

bloggames disse...

Bom dia! Sou Morador do municipio de Carauari, médio Juruá. Há tempos procuro por esse livro, vc pode me orienta de como conseguir uma cópia ou mesmo onde posso encontrar? Seu blog é maravilhoso sobre nossa história. Parabens!

Egina e Eduardo disse...

Olá amigo, esse livro realmente não é fácil de se encontrar. Consegui lê-lo na Casa Txai, que tem um bom acervo temático sobre os índios na amazonia. Na biblioteca da UFAC não encontrei. Fiz o resumo do livro, posteriormente consegui uma cópia do mesmo pedindo emprestado de um historiador, amigo meu, que tem uma belíssima biblioteca pessoal. Você vai encontrar muita coisa boa no site www.bv.am.gov.br
abraços