domingo, 11 de setembro de 2011

AZEVEDO, Thaumaturgo. O Acre, limites com a Bolívia (artigos publicados na imprensa 1900/1901). Rio de Janeiro: Typ. do Jornal do Commércio, 1901.


“A questão nasceu nas Praças comerciais de Belém e Manaus, de lá subiu ao Palácio do Governo do Amazonas, dali se apregoou aos seringueiros do Acre” Dionísio Cerqueira, p. 09.

- As opiniões do autor estavam embasadas no mapa de Barão Ponte Ribeiro.
- Sem a migração o uti possidet não teria lógica.

“Em 1834, o governo dessa República (Bolívia) enviou ao Rio de Janeiro o general Armaza, em missão especial, para negociar um tratado... pedia revalidação e ratificação do tratado preliminar entre a Espanha e Portugal, celebrado em Santo Ildefonso” p. 13.

“O primeiro mapa da Bolívia, de 1843, fixa os limites no Rio Paraguai... O segundo mapa de 1859 traça os mesmos limites do tratado de 1777, levando, porém, a linha madeira até 6°52’ de latitude sul, ponto aliás, já ocupado pelo Brasil desde o tempo colonial” p. 14.

“Sobreveio a guerra de 1801 e cessaram por completo as questões de limites” p. 15

“O governo imperial não aceitou esse projeto... e assim abortou a primeira negociação iniciada pela Bolívia” p. 18.

“Não queremos aumento territorial da nossa pátria, em prejuízo de nações amigas: mas não podemos abrir mão do que de direito nos pertence” p. 20.

“espíritos pouco escrupulosos, sob a máscara de um falso patriotismo, exploram, tergiversando os fatos, procurando servir suas ambições pessoais e angariar proventos” p. 32.

- O que parece é que a primeira luta travada foi mesmo no campo diplomático, quando Azevedo impôs resistência aos reclames bolivianos. A discussão girava em torno da nascente do javari.

Não sou, portanto, o provocador da rebelião do Acre, mas sim, aquele que não soube evitá-la” p. 36.

“Essa região disputada não foi, não é e não pode ser boliviana, enquanto não foi determinada para limite da fronteira com essa republica a verdadeira origem do Javary” p. 36.

- Segundo ele sua tarefa foi “prestar serviços a terra do meu nascimento” p. 48.

SAAVECHA, Bautista. Los limites con El Brasil yu la cuestón del Acre.

Nenhum comentário: