quarta-feira, 30 de maio de 2012

OS CAFETÕES DO CRISTIANISMO

ACABEI DE RELER O LIVRO DE II CORÍNTIOS escrito pelo Apóstolo Paulo mais ou menos nos idos de 55 d.C. O livro é um "escândalo" para os FALSOS APÓSTOLOS atuais que defendem a TEOLOGIA DA PROSPERIDADE - que prega o sucesso pessoal, profissional e financeiro aos cristãos.

1- É mostrado a existência de FALSOS APÓSTOLOS (cap. 11:13). Também fala de FALSOS IRMÃOS (11:26). Eles "adulteram a palavra de Deus" (4:1) e fazem comércio da fé.

2 - Uma das formas de reconhecer o falso apostolado é o fato dele não ter as "credenciais", ou seja, não realizam "sinais, prodígios e poderes miraculosos" (cap. 12:12). 

3 - O VERDADEIRO APÓSTOLO não objetiva obter BENS da igreja (Cap. 12:14). Dá valor as pessoas e não ao que elas possuem. 

4 - "Não devem os filhos entesourar para os pais, mas os pais, para os filhos" (12:14). Ou seja, os filhos espirituais não tem compromisso algum em enriquecer ou honrar os líderes ou pais espirituais com ofertas ou "primícias". OBS: uma coisa é suprir as necessidades dos líderes, outra é enriquecer e garantir as vaidades desses líderes. OS FALSOS LÍDERES querem ter suas vaidades supridas: conta bancária gorda, carro do ano, casa que mais parece um palacete, viajarem todos os anos para Israel, etc.

5 - DEUS não garante mordomia a todos os que aceitam a Jesus como Salvador, até mesmo aqueles que em sua inocência sacrificam-se doando dízimos, ofertas e primícias. DEUS não garante conforto e segurança aos seus filhos aqui na Terra. 

O próprio Apóstolo Paulo passou fome e sede, teve poucas roupas, apanhou, passou tribulações, teve que trabalhar, sofreu perigo de morte.
(CAP. 1: 5; 4: 7-9).

DÍZIMOS, OFERTAS e PRIMÍCIAS não são garantias de RIQUEZAS AQUI NA TERRA, pois a IGREJA DE JERUSALÉM estava passando necessidades. Por isso, Paulo solicita ajuda financeira da Igreja de Coríntios. (CAP. 9). Isso sem dizer que a maioria da primeira geração de cristãos eram constituídos de pessoas humildes. Paulo fala de "profunda pobreza" (8:1).

6. As OFERTAS deveriam ser VOLUNTÁRIAS e de acordo com as posses dos cristãos (Cap. 8 1-15). Portanto é errado Pastores e Apóstolos estabelecerem "COTAS" de ofertas, muito menos incentivar os fiéis doarem acima do que podem (8:12).

7. O Propósito das ofertas eram ajudar VIDAS necessitadas financeiramente (pobres). Várias vezes o Apóstolo Paulo fala de "Assistência aos Santos" (8:4, 9:1). Esses "santos" eram os irmãos pobres. Ou seja, o propósito, como o próprio Apóstolo Paulo falou era promover a "IGUALDADE" (8:13). 

OBS: não se oferta com o intuito egoísta de ficar exigindo depois de Deus prosperidade. Ela devia ser "expressão de generosidade e não de AVAREZA" (9: 5). Não se ofertava para enriquecer pastores nem apóstolos. Não se ofertava para construir grandes templos, até por que pairava no imaginário social de que a volta de Jesus era eminente. A PREOCUPAÇÃO era com as VIDAS e não com as COISAS. 

OBS: hoje os FALSOS APOSTOLOS investem o dinheiro dos fiéis em Mansões, fazendas, TEMPLOS GRANDES. Dizem que é para o bem dos fiéis, mas quem desfruta de tudo são as lideranças da igreja. 

8 - Havia plena consciência no Apóstolo Paulo que sempre haveria na IGREJA pessoas necessitadas e ricas. Quis ele mostrar aos ricos que deveriam compartilhar seus bens com os pobres, de modo que houvesse IGUALDADE SOCIAL. "O que muito colheu não teve demais, e o que pouco, não teve falta" (8:15).

9 - APROUVE A DEUS agraciar certos irmãos da igreja com bens, como no caso da Igreja de Corinto e outro não como no Caso da Igreja de Jerusalém. 

Ele diz que "aquele que semeia pouco, pouco ceifará" (9:6). Mas não garante que a "ceifa" acontecerá na vida terrena. Deus tem o poder de enriquecer todos os cristãos (v.8), mas isso não quer dizer que ele é obrigado a fazê-lo. Não há garantias alguma para o cristão fiel no dízimo ser rico. 

O APÓSTOLO PAULO disse claramente que passou "privações" (11:9), o alvo dele como apóstolo não era exigir das igrejas CONFORTO. Chegou a dizer que sentia "prazer nas necessidades" (12:10).




Eduardo Carneiro

3 comentários:

Prof. Wanderley Dantas disse...

Eduardo, que tiro certeiro este teu texto! Parabéns por colocar as coisas no seu devido lugar e dar o nome corretíssimo a esses que mamam às custas de um povo incauto: cafetões!

Parabéns!

Abraços.

Anônimo disse...

essa semana foi um desses profetas la na igreja. Me segurei pra nao levantar e ir embora no meio do culto msm. Espertinho que manipula os versiculos do novo testamento ao falar de sacrificio e oferta. So a misericordia de Deus

Gabriela Araujo disse...

Concordo em gênero, número e grau. Me incomoda muito que coloquem todos os cristãos no mesmo bolo. Ainda existem cristãos de verdade. É uma pena que esses cafetões (como você sabiamente colocou) ainda enganem tanta gente e acabem dando aos verdadeiros seguidores de Cristo um nome ruim. É de suma importância o conhecimento bíblico para desmascarar esses elementos.